ACESSOS
68565

 
 
    < Voltar  

BATIDO O MARTELO: NOVO PRESÍDIO SERÁ NA VILA AMAZÔNIA

 
       Compartilhe esta matéria em sua linha do tempo!

Nelson Brelaz

A novela da construção de um novo local para abrigar os presos condenados pela Justiça, que vinha se arrastando por muito tempo, parece que chegou aos últimos capítulos.

Hoje, 28 de julho de 2017, foi realizada uma audiência pública no Centro do Idoso de Vila Amazônia, onde finalmente foi decidido através de votação dos participantes, a construção do complexo penitenciário de Parintins. 

Além dos moradores e representantes das comunidades da Gleba, participaram do encontro o vice-prefeito de Parintins, Tony Medeiros, vereadores, representantes da igreja católica, INCRA, Polícia Militar e SEAP.

A unidade prisional vai ser construída pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP), em uma área de terras de 9 hectares, cuja verba de R$ 17 milhões , segundo representantes da SEAP, já estão assegurados através de financiamento do governo federal, com previsão de início das obras ainda este ano, com duração prevista de aproximadamente três anos. 

Só presos de Parintins

Por acordo entre as autoridades e comunitários, a unidade prisional a ser construída abrigará somente presos de Parintins e a mão-de-obra a ser utilizada será preferencialmente de moradores da própria gleba de Vila Amazônia.

O vice-prefeito Tony Medeiros confirmou que “essa foi uma das reivindicações feitas pelos moradores e, juntamente com a Secretaria de Administração Penitenciária, conseguimos acatá-la. Além disso, com o presídio pronto, desativaremos por completo o que existe no Centro de Parintins”, comenta.

Sérgio Muniz, morador e uma das mais destacadas lideranças da comunidade de Zé Açu, afirma que a construção do presídio é importante para atender não somente as demandas da própria Vila, mas também de Parintins como um todo.

Muniz reafirmou a sua aprovação aos projeto ao afirmar: “sou favorável a essa construção porque no presídio os detentos não vão ficar só presos, mas vão estudar, ter uma profissão para serem ressocializados”, salienta.

Comaprtilhe esta matéria em sua linha do tempo!
Comentário:
      Comentário:
      E-mail:
      Senha:
                           Cadastrar-se para comentar
  Comentários de usuários cadastrados »

Não há comentários nesta matéria. Seja o primeiro a comentar, cadrastre-se!